Recentemente o Google criou um conjunto de 3 fatores de classificação de pesquisa, o Core Web Vitals.

As métricas foram projetadas para medir a velocidade do carregamento, a interatividade e a estabilidade visual do site.

Na análise do Googlebot, serão métricas essenciais para um site íntegro, ou seja, junto com outros fatores que analisam a experiência do usuário, as métricas terão um voto decisivo para ver se vale a pena ou não classificar a página.

A Web Vitals visa ter uma orientação unificada para sinais de qualidade, considerados essenciais para proporcionar uma ótima experiência aos usuários. Na verdade o Google vem trabalhando ao longo dos anos, testando inúmeras métricas de interação com uma página da web, mas até agora nenhuma chegou tão perto.

Segundo o Google, os sites que causam uma boa primeira impressão, tem 24% menos chances de perder usuários.

As métricas da Web Vitals se dividem em 3 fatores de classificação:

web vitals

LCP –  Maior Pintura de Conteúdo (Largest Contentful Paint)

O LCP é uma das métricas rastreadas na seção Desempenho do Relatório Lighthouse.

Ele mede quando o maior elemento de conteúdo na janela de exibição é renderizado na tela, ou seja, quando o conteúdo principal é visível aos usuários.

Mas não é tão fácil ser aprovado neste fator de classificação. Tem sido uma grande luta para os desenvolvedores medirem a velocidade com que o conteúdo principal é carregado na página.

O tempo do LCP deve ter no máximo 2 segundos para ser classificado como rápido, visualmente na cor verde. Já é considerado lento quando ultrapassa 4 segundos.

FID –  Atraso na primeira entrada (First Input Delay)

Esta métrica mede a interatividade e seu objetivo é proporcionar uma boa experiência ao usuário. A página deve ter um FID inferior a 100 milissegundos.

Causar uma boa primeira impressão pode fazer um usuário se tornar fiel e retornar ao site. A questão é como avaliar se você está alcançando o objetivo.

Nesta hora vários aspectos são levados em consideração, o apelo visual (design), a velocidade e capacidade de resposta. Mas como fazer este conjunto de itens andar juntos?

Gosto não se discute. Isso torna difícil medir se os usuários gostaram do design. O que sobra para nos apegarmos é a velocidade e a capacidade de resposta, que estará estampada no relatório.

Corrigindo os outros dois fatores acima, volte para o design. Não economize com quem entende de criação, pois valerá a pena investir em algo que agrada a maioria.

Resumindo, você tem que ser bonito e rápido.

CLS –  Deslocamento de layout Cumulativo (Cumulative Layout Shift)

web vitals - CLS

Criado para medir a estabilidade visual. Ao fazer o teste de velocidade do Speed Test Insights do Google, é apresentado uma sequência de telas da sua página. O ideal é que 75% seja preenchido sem falhas para que a sua página apresente uma boa estabilidade. Para causar uma boa experiência, o CLS deve manter em 0,1.

Um bom exemplo do que não pode acontecer é uma página onde o texto se move depois que você já está lendo. É horrível, uma péssima experiência e aí o que vai contar mesmo é a persistência do usuário para consumir o conteúdo. Na maioria dos casos isso não ocorre.

Quantas vezes você clicou num link errado porque o botão se moveu? Na minha opinião, a Web Vitals veio para ficar. Vai obrigar todos os donos de sites a se esforçarem mais para ter uma classificação merecida no rank do Google.

Conclusão para Web Vitals

Teste de Velocidade Site

Quando você desenvolve um site e ele funciona perfeitamente aos seus olhos e na sua máquina, é bem diferente de como os usuários o experimentam. Por isso é vital desde o início estar atento a todos os detalhes, fazer testes constantes a cada código implementado, ou seja, tratar com profissionalismo e delicadeza um website que pode lhe render posições privilegiadas no Ranking do Google. E acima de tudo, estar nas primeiras página dos buscadores, é também sinônimo de que está dando aos usuários uma ótima experiência.